ARTE GÓTICA

 

 

O estilo Gótico desenvolveu-se na Europa, principalmente na França, durante a Baixa Idade Média e é identificado como a Arte das Catedrais.

 

A partir do século XII a França conheceu transformações importantes, caracterizadas pelo desenvolvimento comercial e urbano e pela centralização política, elementos que marcam o início da crise do sistema feudal.

 

A Arte Gótica reflete o desenvolvimento das cidades. Período da arte de estilo gótico estendeu-se por 400 anos (de mais ou menos 1.100 até 1.500).  Deve-se entender o desenvolvimento da época ainda preso à religiosidade,  tendo Deus como elemento supremo.

 

Dessa maneira percebe-se uma renovação das formas, caracterizada pela verticalidade e por maior exatidão em seus traços, porém com o objetivo de expressar a harmonia divina.

 

O termo Gótico foi utilizado pelos italianos renascentistas, que consideravam a Idade Média como a idade das trevas, época de bárbaros, e como para eles os godos eram o povo bárbaro mais conhecido, utilizaram a expressão gótica para designar o que até então chamava-se "Arte Francesa ".

 

Em 476, com a tomada de Roma pelos povos bárbaros, tem início o período histórico conhecido por Idade Média. Na Idade Média a arte tem suas raízes na época conhecida como Paleocristã, trazendo modificações no comportamento humano, com o Cristianismo a arte se voltou para a valorização do espírito.

 

Os valores da religião cristã vão impregnar todos os aspectos da vida medieval. A concepção de mundo dominada pela figura de Deus proposto pelo cristianismo é chamada de teocentrismo (teos = Deus). Deus é o centro do universo e a medida de todas as coisas.

 

A igreja como representante de Deus na Terra, tinha poderes ilimitados.

No século XII, entre os anos 1150 e 1500, tem início uma economia fundamentada no comércio. Isso faz com que o centro da vida social se desloque do campo para a cidade e apareça a burguesia urbana.

 

No começo do século XII, a arquitetura predominante ainda é a romântica, mas já começaram a aparecer as primeiras mudanças que conduziram a uma revolução profunda na arte de projetar e construir grandes edifícios.

A divisão da arte gótica dá-se em 3 períodos:

 

 

 

Ø  I Período:

 

 século XII, 1140 a 1190 chamado período de transição ou gótico primitivo. Ainda pouco elevado, o arco ogival ou quebrado é usado juntamente com o arco romântico.

Ensaia-se o verticalismo procurando romper-se, ainda que com hesitação, com o horizontalismo do estilo românico. As fachadas das igrejas e das catedrais passam a ser enriquecidas com esculturas decorativas.

A rosácea predomina mais parede que vitral. “O círculo - entre todas as figuras - e o movimento circular - entre todos os movimentos – são soberanamente perfeitos porque neles se verifica o retorno aos princípios” (St. Tomas – Suma Contra Gentis, II, 46-1).

 

!  Portais quase em arco românico

!  Preponderância de espaços cheios sobre vazios

!  Colunas e pilastras grossas

!  Arcobotantes curtos e grossos

!  Divisão da fachada por pilastras

 

goticoprimitivo


 

 

Ø  II Período:

 

 século XIII, 1190 a 1350, chamado gótico lanceolado. O arco ogival torna-se bastante elevado, sendo formado por um triângulo agudo. Acentua-se o verticalismo com o aperfeiçoamento e o uso constante da divisão da abóbada.   

  Generaliza-se o uso do vitral (o cinema do crente daquela época) e as fachadas assumem maior decorativismo e suntuosidade.

É a época da construção das grandes catedrais que surgem por toda a Europa, tais como a Notre Damme de Paris, a Catedral de Chartres e a Catedral de Milão.

A rosácea Radiante. “Una e simples no seu princípio a luz divina se divide e se diversifica na medida em que as criaturas intelectuais se afastam como linhas de um centro” (St. Tomas, Summa Teologiae I,89,1)

!  Ogivas lanceadas

!  Equilíbrio entre área vazia e cheia

!  Colunas fasciculadas com capitel

!  Galeria dos Reis

!  Arcobotantes longos, finos e elegantes.

 

 

 

459 - NOTRE-DAME-DE-PARIS

 

milao

 

 

chartre

 

 

 

 

F      III Período:

 

 século XV, 1350 a 1500, chama-se gótico flamejante ou "flamboyant". O Arco ogival é agora formado por um triângulo obtuso, tornando-se ainda menos agudo, tendendo ao horizontalismo.

As nervuras decorativas no interior dos arcos, das janelas, e portais, pela posição das curvas e contracurvas, surgem labaredas. Atenua-se acentuadamente o verticalismo. Fachadas profusamente decoradas.

A rosácea com chamas.

!  Cruzamentos numerosos de ogivas

!  Ogivas Abatidas

!  Ogivas com Cortinas

!  Colunas cilíndricas sem capitel

!  Preponderância da decoração sobre a arquitetura

!  Arcobotantes enfeitados

 

 

 

goticoflamboyant

 

 

 

ARQUITETURA

 

 

A arquitetura foi a principal expressão da Arte Gótica e propagou-se por diversas regiões da Europa, principalmente com as construções de imponentes igrejas. Apoiava-se nos princípios de um forte simbolismo teológico, fruto do mais puro pensamento escolástico: as paredes eram a base espiritual da Igreja, os pilares representavam os santos, e os arcos e os nervos eram o caminho para Deus.

Além disso, nos vitrais pintados e decorados se ensinava ao povo, por meio da mágica luminosidade de suas cores, as histórias e relatos contidos nas Sagradas Escrituras.

Do ponto de vista material, a construção gótica, de modo geral, se diferenciou pela elevação e desmaterialização das paredes, assim como pela especial distribuição da luz no espaço.

Tudo isso foi possível graças a duas das inovações arquitetônicas mais importantes desse período: o arco em ponta, responsável pela elevação vertical do edifício, e a abóbada cruzada, que veio permitir a cobertura de espaços quadrados, curvos ou irregulares. No entanto, ainda considera-se o arco de ogiva como a característica marcante deste estilo.

A primeira diferença que notamos entre a igreja gótica e a românica é a fachada. Enquanto, de modo geral, a igreja românica apresenta um único portal, a igreja gótica tem três portais que dão acesso à três naves do interior da igreja: a nave central e as duas naves laterais.

A arquitetura expressa a grandiosidade, a crença na existência de um Deus que vive num plano superior; tudo se volta para o alto, projetando-se na direção do céu, como se vê nas pontas agulhadas das torres de algumas igrejas góticas.

A rosácea é um elemento arquitetônico muito característico do estilo gótico e está presente em quase todas as igrejas construídas entre os  séculos XII e XIV.      

 

 

arquiteturagotica

 

 

Outros elementos característicos da arquitetura gótica são os arcos góticos ou ogivais e os vitrais coloridíssimos que filtram a luminosidade para o interior da igreja.

 

As catedrais góticas mais conhecidas são: Catedral de Notre Dame de Paris e a Catedral de Notre Dame de Chartres.

 

 

Notre_Dame_Chartres1

 

 

 

ESCULTURA

 

 

A escultura gótica desenvolveu-se paralelamente à arquitetura das Igrejas e está presente nas fachadas, tímpanos e portais das catedrais, que foram o espaço ideal para sua realização.

Caracterizou-se por um calculado naturalismo que, mais do que as formas da realidade, procurou expressar a beleza ideal do divino; no entanto a escultura pode ser vista como um complemento à arquitetura, na medida em que a maior parte das obras foi desenvolvida separadamente e depois colocadas no interno das Igrejas, não fazendo parte necessariamente da estrutura arquitetônica.

As esculturas estão ligadas à arquitetura e se alongam para o alto, demonstrando verticalidade, alongamento exagerado das formas, e as feições são caracterizadas de formas a que o fiel possa reconhecer facilmente a personagem representada, exercendo a função de ilustrar os ensinamentos propostos pela igreja.

 

 

esculturasgotica3

 


 

ILUMINURA

 

 

Iluminura é a ilustração sobre o pergaminho de livros manuscritos (a gravura não fora ainda inventada, ou então é um privilégio da quase mítica China).  

O desenvolvimento de tal genero está ligado à difusão dos livros ilustrados patrimônio quase exclusivo dos mosteiros.

Durante a Idade Média, os ensinamentos cristãos, propagados em diversos detalhes das catedrais góticas, sobretudo nos vitrais, eram também marcados (literalmente) em folhas de papel.

É precisamente por esta razão que os grandes livros litúrgicos (a Bíblia e os Evangelhos) eram ilustrados pelos iluministas góticos em formatos manejáveis. É possível comparar as paredes translúcidas às miniaturas e iluminuras dos manuscritos medievais que, delimitados em um período que se estendeu por volta do ano 500 a 1500, traziam freqüentemente referências às cenas bíblicas, além de temas profanos.

Aparentemente, os termos "miniatura" e "iluminura" são sinônimos. No entanto, há diferenças entre esses tipos de ilustração. A primeira é considerada uma técnica mais restrita em comparação à segunda e caracteriza-se por ornamentos simples e letras de fantasia, desenhados com tinta vermelha composta de mínio e cinábrio.

Já a iluminura apresenta uma maior variedade de cores e não admite sombra, mas gradações de cor.

Durante o século XII e até o século XV, a arte ganhou forma de expressão também nos objetos preciosos e nos ricos manuscritos ilustrados.

Os copistas dedicavam-se à transcrição dos textos sobre as páginas. Ao realizar essa tarefa, deixavam espaços para que os artistas fizessem as ilustrações, os cabeçalhos, os títulos ou as letras maiúsculas com que se iniciava um texto.

Da observação dos manuscritos ilustrados podemos tirar duas conclusões: a primeira é a compreensão do caráter individualista que a arte da ilustração ganhava, pois destinava-se aos poucos possuidores das obras copiadas, a segunda é que os artistas ilustradores do período gótico tornaram-se tão habilidosos na representação do espaço tridimensional e na compreensão analítica de uma cena, que seus trabalhos acabaram influenciando outros pintores.

 

 

iluminuragotica5

 

 

iluminura_6

 

 

 

PINTURA

 

 

A pintura gótica desenvolveu-se nos séculos XII, XIV e no início do século XV, quando começou a ganhar novas características que prenunciam o Renascimento.

Sua principal particularidade foi a procura o realismo na representação dos seres que compunham as obras pintadas, quase sempre tratando de temas religiosos, apresentava personagens de corpos pouco volumosos, cobertos por muita roupa, com o olhar voltado para cima, em direção ao plano celeste.

 

Os principais artistas na pintura gótica são:

 

 

Assim, a pintura de Giotto vem ao encontro de uma visão humanista do mundo, que vai cada vez mais se firmando até ganhar plenitude no Renascimento.

 

Obras destacadas: Afrescos da Igreja de São Francisco de Assis (Itália) e  Retiro de São Joaquim entre os Pastores.

 

 

Giotto_mural_painting7

 

 

 

                                 Nota-se em suas pinturas um cuidado com a perspectiva, procurando mostrar  os detalhes e as paisagens.

 

Obras destacadas: O Casal Arnolfini e Nossa Senhora do Chanceler Rolin.

 

 

 

eyck_wedding8

 

Like?

 

 

 

 

paint pincel.gif

email_on_swinging_sign.gif


                                      Envie um e-mail                                                        Pinte sua opinião

           

 

 

Retorne ao Blog                                                       A autora no Orkut

image003.jpgdownload.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

_